Gripes e resfriados: Como tratar e aliviar os sintomas?

Por Raquel Luzardo 
Fonaudióloga 

A gripe e o resfriado são doenças infecciosas causadas por diversos tipos de vírus que causam febre, dor de cabeça, nariz escorrendo, tosse e inflamação na garganta, entre outros sintomas.

Causa

A gripe é causada pelo vírus influenza A e B, que sofre mutações sazonais. Já o resfriado é causado pelo rinovírus em 70% dos casos. E são mais de 100 tipos, daí a dificuldade de se desenvolver uma vacina. Ambos são bastante contagiosos, sendo transmitidos de pessoa para pessoa através de gotículas de saliva e/ou secreções respiratórias (tosse, coriza, espirros).

O contágio é grande entre as crianças porque ela ainda não formou uma memória imunológica que é adquirida com as infecções. A criança fica gripada sempre que o corpo é invadido por um vírus novo, desconhecido, e assim seu organismo cria anticorpos. A criança pode enfrentar de 6 a 8 infecções virais no ano, que atacam em geral nariz e garganta.

Cada vez que a criança entra em contato com o mesmo vírus, os sintomas tendem a ser mais leves ou inexistentes. Mas como existem muitos vírus, até que o organismo crie uma defesa para todos, as gripes e resfriados serão frequentes. O número diminui bastante a partir do terceiro ano.

No frio, as infecções são mais comuns porque as crianças ficam mais juntinhas em ambientes fechados e não arejados, facilitando a transmissão do vírus.

É recomendado que a criança que esteja doente não vá à escola. Ficando em casa  ela se recupera melhor e evita transmitir a doença para as outras crianças.

Sintomas

Na grande maioria dos casos, o resfriado afeta nariz, ouvido ou garganta, provocando coriza, irritação das mucosas, tosse, espirros e, às vezes, a criança pode ter febre baixa. Se for gripe, os sintomas costumam ser mais intensos e incluem febre alta, dores musculares, cansaço e dificuldade para respirar, situação em que a criança deve ser levada ao médico para verificar se existem outras doenças associadas.

Os quadros de alergia – resposta do organismo a substância consideradas alérgena – muitas vezes se confundem por apresentarem quatro dos principais sintomas de gripes e resfriados: coriza, espirros, prurido (mais ralo e incolor, ao contrário do produzido em casos de gripes e resfriados, mais amarelados ou esverdeados) e obstrução nasal. Ao contrário de gripes e resfriados, são causadas pelo contato direto com a substância que causa a irritação e não causam febre e mal-estar generalizado.

 

Como prevenir

– evite levar o bebê ou a criança em lugares fechados e com aglomeração de pessoas;

– procure também evitar o contato com pessoas que estejam resfriadas;

– estimule as crianças a lavar as mãos várias vezes ao dia. Elas são a principal forma de contágio;

– aplique soro fisiológico no nariz pelo menos 4 vezes ao dia para evitar o ressecamento da mucosa;

– ofereça bastante líquido às crianças para que elas fiquem hidratadas e possam enfrentar o tempo seco com mais facilidade;

– mantenha filtros de ar-condicionado limpos e o ambiente arejado;

– se for usar um umidificador, fique atento e monitore-o para ter certeza de que o local não está ficando, ao contrário do que se quer, úmido demais, favorecendo a proliferação de fungos.

– a amamentação é um dos melhores meios de reforçar a saúde dos pequenos, já que junto com o leite materno ele recebe anticorpos. Não se trata de uma fórmula mágica para impedir que a criança se resfrie, afinal bebês que só mamam no peito também ficam com o nariz escorrendo e entupido, mas os sintomas costumam ser mais leves.

 

Como tratar

O tratamento no caso de gripes e resfriados tem como objetivo aliviar os sintomas, pois em geral a cura é espontânea. Durante o período em que seu filho estiver doente, ele pode ficar irritado e perder o apetite. Isso é normal! O importante é mantê-lo hidratado. Ofereça sucos, água, chás. Estimule também a criança a assoar o nariz várias vezes ao dia, e faça lavagem com soro fisiológico. Quando têm menos de 6 meses, os bebês têm dificuldade de mamar se estiverem com o nariz entupido. No caso de febre, controle com banhos ou antitérmicos. E lembre-se: nunca use nenhuma medicação no seu filho sem que antes tenha conversado com o médico dele.

No período em que a criança estiver gripada, algumas atitudes podem melhorar os sintomas. Essas ações também são aconselháveis para os alérgicos.

– limpe a casa com pano úmido e aspirador de pó diariamente. As vassouras levantam poeira;

– troque as roupas de cama da criança duas vezes por semana;

– retire tapetes, carpetes e bichos de pelúcia do quarto de seu filho;

– não entulhe coisas em estantes, para evitar o acúmulo de poeira;

– deixe a criança descansar;

– se estiver com febre, procure colocar roupas leves para facilitar a troca de calor com o meio e colocar a criança no banho em água morna até que a temperatura ceda. Você pode baixar a temperatura com um antitérmico, seguindo a recomendação do médico. Não é absolutamente necessário baixar a temperatura da criança. Dê o antitérmico se seu filho estiver claramente desconfortável;

– uma opção improvisada é ficar cerca de 15 minutos com a criança dentro do banheiro enfumaçado de vapor. Lembre-se de trocar a roupa dela depois da “sauna”, porque pode ficar úmida;
– fazer um maior número de refeições com quantidades pequenas, para evitar náuseas;

– dormir na posição horizontal pode deixá-la mais congestionada ainda, portanto tente mantê-la com a cabeça mais elevada, no colo ou no carrinho. Se deixar na cama, dobre um cobertor pequeno, ou uma toalha, e coloque-o embaixo do colchão na parte da cabeça, para elevá-la um pouco.

Fique atento – Os vírus da gripe e do resfriado diminuem a resistência da criança e facilitam a invasão de outros micróbios que podem causar amigdalite, otite, sinusite, rinite, bronquite ou pneumonia. Isso exige mais cuidados como tratamentos com antibióticos.

Sempre é recomendável uma avaliação médica. Nunca ofereça medicamentos sem antes consultar o pediatra. Saiba que não há remédio que cure gripe e resfriados. Prevenir é a melhor solução.

Fontes:
Pediatria em Foco
Babycenter
Guia do Bebê
Revista Pais e Filhos
Revista Crescer